No contexto acadêmico/científico, 'Fellow' significa que o pesquisador é considerado um membro de alto nível pela universidade ou sociedade científica que o elege

A física Denise Zezell, pesquisadora do Centro de Lasers e Aplicações do IPEN/CNEN, foi eleita Fellow da Optica Foundation, principal fórum global para a ciência e tecnologia da luz. Zezell coordena pesquisas de biofônica ligada a lasers em medicina e de diagnóstico tumoral por espectroscopia por FTIR (acrônimo do inglês Fourier transform infrared spectroscopy), técnica que emprega radiação no infravermelho.

Curiosamente, o grupo liderado por Zezell, atualmente, é composto apenas de mulheres. Um dos focos da Optical Foundation é justamente aumentar a visibilidade e o destaque de mulheres na ciência, especificamente na área de ótica, "para que as próximas gerações se vejam refletidas nessas especialistas e líderes”, segundo a presidentda Fundação, Michal Lipson. A eleição de Zezell é um reconhecimento internacional de sua trajetória como cientista.

A pesquisadora ressalta os esforços da Optica Foundation para o incremento da participação feminina, desde a graduação, nas áreas de ótica e fotônica. "Eu faço parte dessa sociedade, que tem dez OPTICA Fellows no Brasil, em 60 anos. Fui eleita este ano, e somos apenas duas mulheres, entre os dez Fellows do Brasil. Mas é fato que a sociedade vem buscando fortalecer a participação de mulheres na área de óptica e fotônica”, disse Zezell.

Fellow, no contexto acadêmico/científico, significa que o pesquisador é considerado um membro de alto nível pela universidade ou sociedade científica que o elege, como é o caso da escolha de Zezell pela Optica Foundation. "A homenagem é o reconhecimento pela brilhante atuação e dedicação da pesquisadora à fotônica no Instituto e no País, voltada à saúde”, afirmou o superintendente do IPEN/CNEN, Wilson Calvo.

De fato, a razão enviada pela Optica Foundation para a nomeação de Zezell refere-se às "contribuições significativas para o ensino de fotônica, especificamente em odontologia a laser, e pesquisas pioneiras em biofotônica no Brasil. Calvo ratifica, destacando a atuação da pesquisadora em ações que promovem o avanço científico, tecnológico e inovador da área de fotônica no Brasil, seja na formação de recursos humanos, seja na pesquisa, propriamente dita.

"Sua preocupação na formação de profissionais etransferir seu enorme conhecimento em fotônica são plenamente demonstrados ao coordenar o Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional de Tecnologia das Radiações na Saúde no Instituto. Além disso, Dra Denise é corresponsável pelo Projeto Sisfóton do MCTI no IPEN, juntamente com o Dr. Wagner de Rossi e vários pesquisadores do Instituto e das UTCs da CNEN”, acrescentou Calvo, referindo-se ao Sistema Nacional de Fotônica, integrado pelos laboratórios de excelência no País, dentre eles os existentes no CELAP do Instituto.